Cultura

Movimento #MeToo tirou mais de 200 homens do poder

Um novo relatório revela ainda que quase 50% dos cargos substituídos foram ocupados por mulheres.

 

Um novo relatório publicado pelo jornal New York Times (via O Globo) informa que, desde a ascensão do movimento #MeToo após as denúncias contras Harvey Weinstein, mais de 200 homens perderam seus cargos de privilégio em Hollywood, após outras acusações ligadas a abuso sexual.

 

A análise detalha que foram exatos 201 empregos perdidos por homens que abusaram do poder no último ano, e ainda que houve um aumento de quase 50% de cargos ocupados por mulheres. Das 124 substituições, foram contratadas 54 mulheres e 70 homens.

 

Entre os principais denunciados estão, além de Weinstein, Roy Price (então presidente de cinema e TV da Amazon), Kevin Spacey, Matt Lauer, entre outros. Ao todo, os 201 que sofreram algum tipo de punição pelos seus atos foram acusados por um total de 920 denunciantes, entre homens e mulheres.

 

 

O #MeToo tomou força a partir do fim do ano passado, quando outras denúncias seguiram o exposé contra Weinstein publicado tanto pelo New York Times quanto pela New Yorker. Após centenas de mulheres unirem-se para formar uma rede de apoio a favor de trabalhadoras desfavorecidas ou com baixas condições, a organização passou a pedir também por melhores condições de trabalho e equiparação salarial. 

Galeria

Comentários

Publicidades

Mais Vistas

1

Cirurgia será transmitida em tempo real, via internet, do Centro Cirúrgico da Santa Casa

2

Liquidação Fantástica levará milhões de pessoas ao Magazine Luiza nesta sexta-feira

3

Bolsonaro amanhece com batom, maquiagem, brincos e colares em outdoor em São Carlos

4

Novo Golf produzido no México começa a chegar às concessionárias Volkswagen no Brasil

5

Advogado é o primeiro deficiente visual a receber carteira da OAB em São Carlos